segunda-feira, maio 23, 2005

Neotrobadorismo

Sedíame eu no alto da Encarnación
e cercáronme as tebras, que escuras son:
eu agardando ao meu Charli !
eu agardando ao meu Charli !


Estando no alto ante a parada,
cercáronme os ciumes, vaia parvada:
eu agardando ao meu Charli !
eu agardando ao meu Charli !


E cercáronme as horas, que tarde son,
non hai taxi, nin vitrasa:
eu agardando ao meu Charli !
eu agardando ao meu Charli !


E cercáronme as dúbidas do meu siso
non hai vespino, nin teño permiso
eu agardando ao meu Charli !
eu agardando ao meu Charli !


Non hai alí taxi, nin vitrasa
ficarei soa no alto lonxe da casa
eu agardando ao meu Charli !
eu agardando ao meu Charli !


Non hai vespino, nin teño permiso
ficarei soa presa do meu mal siso:
eu agardando ao meu Charli !
eu agardando ao meu Charli !

1 comentário:

naufrago disse...

¿De que me soa este poema?